top of page
  • Foto do escritorNeepec

“Xou do Xac” estreia no dia do Orgulho LGBTQIAPN+

A peça, uma paródia vyada e clownesca do “Xou da Xuxa” para o público jovem e adulto, convida a plateia para a realização de vários quadros e celebra a diversidade na luta contra a homofobia


Foto: Clau Silva


Na sexta-feira 28 de junho às 20h estreia no Teatro de Bolso do SESC Palladium a peça “Xou do Xac”, uma paródia viada e clownesca do Xou da Xuxa para maiores de 16 anos, com atuação e dramaturgia de Gabriel Castro Cavalcante, e dramaturgia, espaço cênico e direção de Juarez Guimarães Dias.


A estreia, que faz parte do projeto “Criações de bolso”, terá curta temporada até domingo, 30 de junho, data que marca os 38 anos da estreia do programa de Xuxa na grade matutina da TV Globo. Os ingressos estão à venda a preços populares (de R$ 15 a R$ 30) na plataforma Sympla (https://bileto.sympla.com.br/event/93881) e na bilheteria do SESC Palladium (Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, Belo Horizonte). A montagem tem realização do Mutanti - Lab de Criação e Neepec UFMG e comemora as carreiras no teatro de Gabriel Castro Cavalcante (25 anos) e Juarez Guimarães Dias (30 anos).


Sinopse


“Xou do Xac” é uma paródia viada e clownesca do “Xou da Xuxa” para jovens e adultos maiores de 16 anos. Xac é um palhaço que sofre bullying por ser diferente dos demais. Um dia ele escreve e envia uma carta para Xuxa buscando apoio e acolhimento, mas a carta não é sorteada. Entretanto, Xac recebe a visita de Marlexa, sua Fada Madrixa, propondo-lhe desafios para conseguir realizar seu sonho: ter um programa só seu em que ele possa ser quem é, sem preconceito e discriminação. O espetáculo apresenta os bastidores e a criação ao vivo do programa “Xou do Xac" e conta com importantes participações: uma pessoa artista convidada a cada sessão e o público presente na realização de vários quadros, como brincadeiras, números musicais, entrevista e transformação.


Ficha Técnica


Criação: Gabriel Castro Cavalcante e Juarez Guimarães Dias

Atuação: Gabriel Castro Cavalcante

Dramaturgia: Gabriel Castro Cavalcante e Juarez Guimarães Dias

Direção e Espaço cênico: Juarez Guimarães Dias

Orientação em palhaçaria: Lili Castro

Assistência de Palco e Produção / Xaquita: Malía Galvão

Figurinos: Caroline Manso

Ilustrações: Nic Maia

Iluminação: Bruno Cerezoli

Operação de luz: Johnny River

Produção Musical Paródias: Saulo Fergo

Adereços de cabeça: Ateliê Tremelengue

Consultoria em Comunicação e Diversidade: Ettore Medeiros

Fotografia: Clau Silva/ Denilson Gomes

Produção: Gabriel Castro Cavalcante

Realização: Mutanti - Lab de Criação e Neepec UFMG


Sobre o espetáculo, a pesquisa e a criação


Para o ator e palhaço Gabriel Castro Cavalcante, “A liberdade é sinônimo de felicidade e ter o privilégio de borrar as fronteiras entre arte e vida é um sonho que se realiza, como se eu estivesse, sem exagero, me preparando toda uma vida para esse trabalho”. Para o dramaturgo e diretor Juarez Guimarães Dias “Essa peça é um presente que nos damos e oferecemos ao público, uma oportunidade de recuperarmos memórias das nossas infâncias, conscientes do quanto esse período da vida foi importante para a formação da nossa identidade. E o Xou da Xuxa, com tudo o que ele representava, nos acolheu e nos libertou como crianças viadas que fomos”.


Desde sua estreia como ator profissional em Fortaleza há 25 anos, no elenco de “O destino a Deus pertence”, que abordava o universo circense, Gabriel Castro Cavalcante nutria o desejo de investir na criação de um palhaço, o que ocorreu em 2017, depois de longa trajetória no teatro em BH e São Paulo. O Palhaço Xac nasceu num curso de formação com Cícero Silva (Palhaço Titetê), ganhou as ruas de BH no projeto coletivo “Garagens Periféricas” e agora conquista seu primeiro espetáculo solo, o “Xou do Xac”.


A pesquisa e a construção do palhaço Xac, que espelha a própria identidade de seu criador enquanto artista, homem, cis, gay, nordestino, migrante, borra as fronteiras entre arte e vida e pretende ser um dispositivo de mudança de perspectivas e possibilidades criativas para o enriquecimento e reverberação de uma discussão que ainda apresenta alguma resistência no campo da palhaçaria. Trata-se de uma oportunidade singular e social de abordar, através de uma proposta queer de palhaçaria, a diversidade, o direito à expressão da identidade, entendendo que linguagens tão antigas e acessíveis em suas gêneses como o teatro e o circo, possam inspirar pessoas LGBTQIA+ em suas lutas cotidianas e ampliar as possibilidades de existência. A representatividade, além de um direito, é uma conquista, podendo ser vista como uma luta por reconhecimento e reparação de discriminações históricas.


As discussões presentes no espetáculo também reverberam nos encontros de pesquisa do Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional (Neepec UFMG), do qual Juarez Guimarães Dias é um dos coordenadores, Gabriel Castro Cavalcante é artista residente e pesquisador, além de outros profissionais que compõem a ficha técnica como Carol Manso, Ettore Medeiros e Malía Galvão.


A dramaturgia toma como inspiração o “Xou da Xuxa”, sucesso televisivo em territórios nacional e internacional nos anos 1980/ 1990, para ressaltar sua importância para tantos baixinhos e baixinhas, como eram conhecidos os fãs da Xuxa. Entre eles e elas, há uma grande quantidade de pessoas que foram crianças dissidentes das normas de gênero e sexualidade e tinham na atração televisiva acolhimento, reconhecimento de afinidades e o incentivo para serem quem são.


Como paródia, o “Xou do Xac” investe no gênero cômico para atualizar discussões sobre gênero e sexualidade na expressividade e diversidade de tantos corpos. A peça tem início com um formato de show de humor, bastante popular no Ceará, terra natal do ator Gabriel Castro Cavalcante, que remonta às origens para contar parte de sua história e como se deu o nascimento do palhaço Xac, ainda na sua infância. Xac, por sua vez, compartilha seus dilemas, os preconceitos e o sonho de ter um programa para poder ser quem ele é, sem violência ou discriminação.


Criadores


Gabriel Castro Cavalcante

Ator e Pesquisador, é Graduado em Licenciatura em Teatro pela UFMG e atualmente tem em seu repertório a peça “A paixão de Tito” e a “Peça-jogo-festa #Criança”. É integrante do Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional (Neepec UFMG), do Mutanti - Lab de Criação, e do Criar para Crianças (UFRB), realizando criações e pesquisas sobre teatro narrativo e documentário, identidade, infância e brincadeiras. Celebrando 25 anos de Teatro, seu percurso artístico começa em Fortaleza em 1998 com a peça "O destino a Deus pertence" (de Ricardo Bessa e direção de Paulo Ess). Em Minas Gerais, onde está radicado desde 2001, integrou o elenco de projetos do Galpão Cine Horto, dentre os quais o Oficinão, com o espetáculo “Quando o peixe salta” (Dir. Rodrigo Campos e Fernando Mencarelli), Pé na rua com “O circo do lixo” (Dir. Eduardo Moreira e Chico Aníbal), Cena-espetáculo com “Av. Pindorama, 171” (Dir. Henrique Limadre), sendo este a origem do coletivo Teatro 171. Colaborou com o Teatro Oficina, Grupo XIX de Teatro, Teatro Kunyn, Laboratório de Práticas Performativas da USP e Cia. de Teatro Documentário, em São Paulo.


Juarez Guimarães Dias

É Professor do Departamento de Comunicação Social da UFMG, do Programa de Pós-graduação em Comunicação, e Co-coordenador do Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional (Neepec) e Coordenador do Mutanti - Lab de Criação. É Escritor, Dramaturgo e Encenador, Doutor em Artes Cênicas, com estágio-sanduíche na Universidade de Lisboa, Mestre em Literatura e Bacharel em Publicidade e Propaganda. Comemorando 30 anos de Teatro, tem trabalhos reconhecidos por público e crítica como "A Paixão de Tito" e a "Peça-jogo-festa #Criança" (ambos com Gabriel Castro Cavalcante), “A Obscena Senhora H” (de Luciana Veloso), “Freddie Rock Star – The Show Must Go On!” (de Fábio Schmidt), "EuCaio" (de Matheus Soriedem), “Marilyn Monroe.doc” (de Thaís Coimbra), “Atrás dos olhos das meninas sérias”, “Sexo”, “Acontecimento em Vila Feliz” (com a Cia. Pierrot Lunar) e “#tudodenós” (com Pierrot Teen).


Serviço


Estreia “Xou do Xac”

Curta temporada: 28 a 30 de junho às 20h

Teatro de Bolso SESC Palladium (Av. Augusto de Lima, 420, Centro, Belo Horizonte)

Ingressos: de R$ 15 a R$ 30 - Bilheteria ou no site Sympla: https://bileto.sympla.com.br/event/93881

Duração: 80 min

Classificação indicativa: maiores de 16 anos

Instagram e TikTok: @xoudoxac

14 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page